Skip to main content Skip to search Skip to header Skip to footer
Web Original

Exerça seu poder espiritual

From The Herald of Christian Science - September 29, 2022


Ceticismo. Política. Eleições. Esses três assuntos parecem atualmente estar sempre interligados. E à medida que as campanhas políticas para as eleições vindouras, em vários países e nos Estados Unidos, prosseguem a toda velocidade, aparentemente o ceticismo continua a crescer. Influenciadas pelo tom de muitas reportagens e propagandas na mídia, muitas pessoas acham que provavelmente não faz diferença votar em um candidato ou nao votar em ninguém. Nesse clima atual, que muitas vezes estimula a ironia e o descrédito, e a difamação de líderes políticos e candidatos, o que podemos fazer para evitar que sejamos engolfados na atmosfera pessimista? Além disso, existe alguma coisa que possamos fazer para contestar a onda de ceticismo e promover condições mais propícias ao progresso?    

Há pouco tempo li uma entrevista com Martin Luther King Jr., a qual ocorreu no início dos anos 60, no auge dos debates pelos direitos civis nos Estados Unidos. O entrevistador perguntou ao Dr. King sobre sua infância e educação, suas ideias religiosas e a filosofia de não-violência, sua constante dedicação ao movimento pelos direitos civis, as várias vezes em que estivera preso, assim como as situações de risco de vida que havia enfrentado por promover a causa da igualdade de direitos para os negros americanos.

Ponderei que, devido a todos os desafios pelos quais passara na arena política, se alguém tinha motivos para se tornar cético com relação ao processo político em geral, e quanto aos líderes locais e nacionais em particular, ele seria essa pessoa. Mesmo assim, ao longo da entrevista, demonstrou que não era nem cético nem pessimista. Falou das ideias que fortaleciam seu propósito, como o tipo de amor que é “a compreensiva, criativa e redentora boa vontade para com todos os homens”. Referindo-se a esse amor, o Dr. King observou: “Não penso nesse amor como uma força frágil, mas percebo o amor como algo forte, que se organiza em poderosa ação direta”.  

No final da entrevista, o repórter perguntou: “Então, o senhor tem esperanças?” o Dr. King respondeu: “Sim, tenho”. E o entrevistador disse: “E eu lhe agradeço por sua esperança e por suas ações” (“Kenneth B. Clark Interview,” A Testament of Hope: The Essential Writings and Speeches of Martin Luther King, Jr. [“Entrevista de Kenneth B. Clark”, Uma demonstração de esperança: os escritos e preleções essenciais de Martin Luther King, Jr.], James M. Washington, redator; Harper San Francisco, 1991, pp. 331–339).

Ao longo da entrevista, o Dr. King foi claramente realista em sua avaliação, tanto da situação que os negros americanos enfrentavam naquele momento, quanto das perspectivas futuras para o progresso social. Mesmo assim, seu ponto de vista, com base em algo mais elevado do que as considerações meramente humanísticas, era positivo. E isso devido à sua fé em Deus e aos ensinamentos que trazia no coração, os preceitos demonstrados por Jesus a respeito do amor espiritual.    

É difícil imaginar o próprio Jesus assumindo uma atitude cética ou aceitando o ceticismo como o modo de pensar entre seus seguidores. Aquele que recomendou a seus discípulos que tivessem amor para com seus inimigos e fizessem o bem aos que os perseguiam e maltratavam, com certeza tinha um senso mais aprofundado do que realmente era importante — do que traz o progresso genuíno, a reforma e a cura para os indivíduos e a sociedade.    

Na Bíblia, nos relatos do Novo Testamento, o apóstolo Paulo levou os ensinamentos de Jesus a um mundo que estava encarando seus próprios desafios e graves problemas políticos. Em sua epístola aos cristãos em Colossos, Paulo os aconselha a permanecer na fé, recomendando-lhes: “...alicerçados e firmes, não vos deixando afastar da esperança do evangelho…” (Colossenses 1:23). Para mim, esse texto oferece um poderoso antídoto contra o ceticismo. Primeiro, tendo uma vida seguramente estabelecida na fé, firmes e alicerçados em Deus, naturalmente nos voltaríamos em oração à Mente divina, a una e única, em busca de orientação em toda decisão importante. Desse modo se institui uma base sólida e inspirada para fazermos escolhas sábias, e para então agirmos adequadamente — inclusive em nosso apoio aos processos políticos honestos e em nossa participação ativa para elegermos cidadãos eficientes para os cargos públicos.         

Além disso, não nos deixarmos “afastar da esperança do evangelho” significa mantermos uma perspectiva espiritual que realmente promove a cura do ceticismo. O “evangelho” representa a “boa nova”. É a boa nova que Jesus trouxe ao mundo, ao dizer que o reino de Deus está próximo — que o reino de Deus está dentro de cada um de nós. Essa boa nova refuta diretamente as más notícias que engendram o ceticismo. E esse “evangelho do reino de Deus” proporciona uma perspectiva que é completamente diferente em comparação com um ponto de vista meramente material.

"O reino de Deus está próximo" significa que o governo de Deus, que é ao mesmo tempo a inteligência infinita e o Princípio universal, realmente atua na vida humana. Esse governo divino estabelece as regras da lei, que é invariavelmente justa, igualitária e imparcial — uma aplicação da lei que promove segurança, proteção, propósito produtivo e progresso. A oração a partir dessa perspectiva espiritual, com “a esperança do evangelho”, derruba a sugestão de que os cidadãos, os parlamentares eleitos e as instituições não têm poder para estabelecer mudanças construtivas, ou que agem meramente em proveito próprio. Essa oração realmente impele ao pensar progressivo e à ação. E apoia a honestidade, a integridade, a compaixão e a humildade de todo o povo de Deus.    

Mary Baker Eddy, que organizou a Igreja de Cristo, Cientista, e fundou também O Arauto da Ciência Cristã, certa vez escreveu aos membros da Igreja uma mensagem que incluía uma convocação à oração durante um tempo de conflito internacional. Ela pediu aos membros: “Orai pela prosperidade de nosso país e por sua vitória quando em armas; para que a justiça, a misericórdia e a paz continuem a caracterizar seu governo, e governem todas as nações”. E continuou: “Orai para que a presença divina continue a guiar e a abençoar a autoridade máxima de nossa nação, as pessoas ligadas ao cargo executivo, e o sistema judiciário de nosso país; para que conceda sabedoria ao nosso Congresso e sustente a nação com o braço direito de Sua retidão” (Christian Science versus Pantheism [A Ciência Cristã frente ao panteísmo], p. 14).

À medida que se aproximam as eleições locais e nacionais deste ano, cada um de nós pode ajudar a estimular uma atmosfera mental renovada que ultrapassa a nuvem do ceticismo. Orar, reconhecendo que Deus guiará e abençoará todos os candidatos políticos, é apoiar ativamente um tom mais elevado no discurso político. Como cidadãos que somos, podemos manter a esperança que é simultaneamente espiritual e realista.   

Esperança. Oração. Ação. Esses elementos, interligados, constituem um plano prático para a reforma e o progresso.

ACCESS MORE GREAT ARTICLES LIKE THIS!

Welcome to Herald-Online, the home of The Christian Science Herald. We hope you'll enjoy this article that has been shared with you.

To receive full access to the Heralds, activate an account using your print Herald subscription, or subscribe to JSH-Online today!

The Mission of the Herald

In 1903, Mary Baker Eddy established The Herald of Christian Science. Its purpose: "to proclaim the universal activity and availability of Truth." The definition of "herald" as given in a dictionary, "forerunner—a messenger sent before to give notice of the approach of what is to follow," gives a special significance to the name Herald and moreover points to our obligation, the obligation of each one of us, to see that our Heralds fulfill their trust, a trust inseparable from the Christ and first announced by Jesus (Mark 16:15), "Go ye into all the world, and preach the gospel to every creature."

Mary Sands Lee, Christian Science Sentinel, July 7, 1956

Learn more about the Herald and its Mission.