Skip to main content Skip to search Skip to header Skip to footer
Web Original

Para jovens

Força para resistir a pensamentos ruins

From the August 2021 issue of The Herald of Christian Science

Publicado anteriormente como um original para a Internet em 2 de agosto de 2021.


Resista a esses pensamentos. Eu estava sozinha no meu carro quando ouvi essas palavras. 

Resista a esses pensamentos. Poderiam essas palavras ter sido uma resposta à oração? Afinal, eu vinha orando. Mas eu realmente não sabia o que elas significavam, então pedi a Deus que me ajudasse a compreender por que eram importantes.

Lembrei-me de quando eu morava em Nova York. Eu andava de metrô, e os trens sempre estavam muito lotados. Se deixamos as pessoas nos empurrarem quando estamos em pé naqueles vagões de metrô em movimento, podemos cair. Temos de manter nossa posição e educadamente resistir; ficar firmes. O suficiente para não sermos derrubados.

Mas desta vez eu deveria resistir contra o quê?

Então pensei em uma cura que eu tivera alguns anos antes. Como sempre, eu havia começado meu dia lendo a Lição Bíblica semanal que se encontra no Livrete Trimestral da Ciência Cristã, e em seguida havia orado por mim mesma. Depois, quando estava caminhando para o escritório, de repente senti uma intensa dor no estômago. Era avassaladora e assustadora. Tão aguda, que tive de parar de andar. Enquanto eu estava ali, tentando compreender o que estava acontecendo, estas palavras me ocorreram: “sugestão mental agressiva”. 

Minha primeira reação foi achar que aquela dor não parecia nada mental. Era como se algo estivesse muito errado fisicamente. Mas eu sabia que aquelas palavras não tinham vindo do nada. Eu as havia lido anteriormente, nos escritos de Mary Baker Eddy (Manual dA Igreja Mãe, p. 42). E naquele momento elas me haviam ocorrido em resposta à oração que eu fizera ao buscar orientação e alívio — eram palavras vindas de Deus, a Mente divina. Então, mentalmente, eu ficara firme, posicionando-me contra a dor e o medo, e refletira sobre essa frase, uma palavra de cada vez:

Agressiva. Sim, aquela dor era muito agressiva, e parecia esmagadora. Mas ao pensar nessa palavra, de repente compreendi que a agressividade era uma tática de bullying. De que outra forma a dor conseguiria captar minha atenção?

Mental. Mesmo que esse problema parecesse físico, eu sabia, graças ao meu estudo da Ciência Cristã, que tudo com que lidamos é realmente pensamento. Colocando de maneira bem simples, em todas as situações ou estamos correspondendo a um bom pensamento vindo de Deus, ou necessitamos resistir contra um pensamento ruim que está tentando fazer oposição ao poder de Deus e ao fato de que Deus é o bem. Então, ao reconhecer que essa dor era realmente mental — um pensamento negativo que podia ser contestado — recuperei algumas escolhas e algum controle. Embora eu não parecesse capaz de resolver um problema relacionado com o corpo, eu sabia muito bem como corrigir meu pensamento. E a palavra mental me disse tudo que eu necessitava fazer.

A palavra sugestão foi aquele estalo que esclareceu tudo por completo. Pensei: “Se isso é realmente apenas uma sugestão, então eu não preciso lhe dar atenção, mesmo que esteja agressivamente declarando que algo está muito errado com meu corpo”. 

Voltei-me para Deus com toda a minha força, fé e confiança, e disse: “Eu sei que Você não causou essa dor, então vamos vê-la desaparecer. Já mesmo. Afinal, as sugestões não são definitivas”. E a dor se foi. Exatamente assim. E consegui me endireitar e andar. A dor nunca voltou, e aprendi uma lição importante quanto a resistir às sugestões mentais agressivas.

E quanto a resistir a pensamentos ruins, como me ocorrera no carro? Depois de refletir sobre a minha cura anterior, percebi que, naquele dia no carro, eu estava aceitando todo tipo de sugestão mental agressiva com relação a mim e aos outros. Sugestões que pareciam muito reais, até que recebi a mensagem de Deus para desafiá-las. Então, resisti a elas com toda a autoridade da Verdade, com total confiança no bem, e percebi que elas eram de fato apenas isto: sugestões. E observei como, uma por uma, elas se dissolveram à luz do bem, o qual eu conhecia como realmente verdadeiro e presente.

Uma das coisas de que eu gosto, quanto a ser Cientista Cristã, é a força que a Ciência Cristã me dá para eu poder desafiar cada pensamento que não é correto ou bom. E que me permite saber que nem eu nem ninguém tem de aceitar essas impressões como se fossem reais ou dotadas de autoridade sobre nós. Se alguma sugestão vem disfarçada de autocondenação, desânimo ou mesmo doença, à medida que resistimos a qualquer uma delas, quando resistimos a tudo o que não tem origem em Deus, acontecerá o que Jesus prometeu, e cada uma dessas sugestões “fugirá” de nós (Tiago 4:7). Da mesma forma como a dor fugiu de mim. E o mesmo aconteceu com os pensamentos negativos no carro, naquela manhã.

Assim como aprendi a andar de metrô, assim também precisamos manter nossa posição, e resistir a qualquer coisa que nos empurre de um lado para o outro — e para isso temos a firmeza e a força que vêm de Deus. E assim fazendo, perceberemos que o resultado é exatamente o que todos queremos: a cura.

ACCESS MORE GREAT ARTICLES LIKE THIS!

Welcome to Herald-Online, the home of The Christian Science Herald. We hope you'll enjoy this article that has been shared with you.

To receive full access to the Heralds, activate an account using your print Herald subscription, or subscribe to JSH-Online today!

More in this issue / November 2021

The Mission of the Herald

In 1903, Mary Baker Eddy established The Herald of Christian Science. Its purpose: "to proclaim the universal activity and availability of Truth." The definition of "herald" as given in a dictionary, "forerunner—a messenger sent before to give notice of the approach of what is to follow," gives a special significance to the name Herald and moreover points to our obligation, the obligation of each one of us, to see that our Heralds fulfill their trust, a trust inseparable from the Christ and first announced by Jesus (Mark 16:15), "Go ye into all the world, and preach the gospel to every creature."

Mary Sands Lee, Christian Science Sentinel, July 7, 1956

Learn more about the Herald and its Mission.