Skip to main content Skip to search Skip to header Skip to footer
Web Original

Suficiência

From The Herald of Christian Science - July 19, 2021


A causa — Deus — que criou o universo espiritual, tem de possuir recursos infinitos para manter a existência eterna da sua obra perfeita, deve ter leis para o governo contínuo desse universo espiritual, bem como o poder eterno para perpetuá-lo. Essa causa é, portanto, necessariamente inseparável do seu produto, é infinitamente inteligente em relação a tudo o que se refere à criação, e impecável na manutenção desta. O efeito de tal causa também tem de possuir perfeição, para que haja um todo perfeito. Além disso, a perpetuidade da criação implica o controle ordenado por parte do invariável Princípio divino, Deus. 

Por certo podemos ficar maravilhados diante da majestade do Princípio divino, o perfeito Um e Uno, em quem “está corporificada toda a Vida e a Mente” (A Unidade do Bem, de Mary Baker Eddy, p. 3), toda a lei, toda a ação e toda a realização. Todas as qualidades da perfeição estão expressas em toda a criação de Deus. Em toda parte, a quantidade sem limites da natureza divina está disponível e a lei imparcial de Deus está em ação.

Essa causa, que é o Princípio de toda manifestação real, cria apenas identidades perfeitas. Com uma constância invariável, ela confere a essas identidades as qualidades da natureza divina, e governa sua expressão individual e universal. A suficiência do suprimento é uma qualidade eterna de Deus, e essa suficiência está disponível para toda a criação, a todo momento. As qualidades divinas não podem ser acumuladas nem armazenadas pela criação, mas estão constantemente sendo expressas. A suficiência de recursos é mantida em todo o universo de Deus por atuação da lei divina, portanto, está presente de modo permanente, em toda parte. A suficiência do suprimento não é cumulativa, pois está sendo constantemente desdobrada. Onde a fonte é infinita, há um fluir contínuo, há causa e efeito como uma coisa só, e nenhuma necessidade de acumulação. Se, no universo criado por Deus, qualquer elemento da criação tivesse a necessidade de acumular algumas das qualidades, ou alguma quantidade, da verdadeira substância, isso implicaria a possibilidade de haver, em algum momento, falta de substância, ou interrupção no funcionamento, quando então a criação teria de tomar providências. Mas tal coisa é inconcebível, impossível.

O Princípio divino possui infinitas ideias espirituais, por meio das quais é capaz, abundantemente, de manifestar perfeita harmonia. Todas as ideias no universo espiritual declaram o controle da Deidade. No plano de Deus, o homem não pode, individual ou coletivamente, de nenhuma maneira, acumular ou monopolizar alguma quantidade de substância. Ele não pode administrá-la, nem bem nem mal. Só pode expressá-la e ser abençoado por ela. Por isso, o homem vive, não para acumular suprimento, mas para expressar sempre a sua onipresente suficiência. A Ciência divina interpreta, em toda a criação, a eterna presença do suprimento perfeito e a perfeita continuidade da existência.

O Espírito capacita todas as identidades reais a viverem dentro dos recursos do Espírito, que são infinitos. Nenhuma parte da criação de Deus pode jamais chegar a uma situação em que haja carência. Essa verdade pode ser comprovada por qualquer pessoa que a aceite e que nela se apoie inteiramente. A humanidade pode reivindicar essa verdade hoje e vivenciar a libertação da crença em fardos pesados, graças à compreensão e demonstração da Verdade. A lei divina da suficiência infinita opera com simplicidade científica, de modo que o suprimento, em harmonia constante, nunca é obstruído ou comprometido. Assim, o divino direito individual e a liberdade de ação de cada ideia estão para sempre intactos. A humanidade, ao despertar, contemplando esses métodos de Deus, amando-os e obedecendo-lhes, começa a ser por eles abençoada.

O erro, alçando sua voz em contradição à Verdade, diz erroneamente: a acumulação de bens materiais é a única forma pela qual os homens podem ser salvos do desastre. Se não acumularem esses bens, ficarão desamparados e sujeitos a fracassos irremediáveis. Contudo, há inúmeras formas pelas quais aquilo que foi acumulado pode ser totalmente perdido. O que alguém economizou talvez venha a se tornar até mesmo a origem de sua derrocada. Certamente esses argumentos do erro não contêm nenhuma indicação de serem uma lei absoluta. Antes, indicam que a luta pelo acúmulo de bens materiais talvez faça parte da crença do magnetismo animal, que a Sra. Eddy descreve como “uma crença que faz de outra, a sua vítima” (Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, p. 583).

Em oposição a essa crença errônea, está a ordem celestial do cuidado universal, ou seja, o desdobramento divino de recursos inesgotáveis. Deus tem recursos ilimitados para todo o Seu universo, e a Ciência divina mantém o reflexo desses recursos em toda a criação.

As declarações que fazemos neste artigo, contudo, não oferecem nenhum tipo de pretextos para que a humanidade seja descuidada, extravagante, ou imprudente com aquilo que é humanamente necessário e que temos o direito de possuir. Pelo contrário, a Ciência Cristã ensina a aplicação dessas verdades espirituais na vida humana por meio da sabedoria, economia, e atuação ponderada com tudo o que nos é confiado pelas circunstâncias humanas. A compreensão espiritual dá ao pensamento humano mais intuição, mais prudência, mais engenho e mais percepção. Faz com que tudo o que é feito de acordo com a lei divina prospere e permaneça, enquanto for de utilidade.

O investimento correto dos nossos meios pode ser tão necessário como o cuidado correto que dispensamos às nossas roupas ou à nossa casa. Mas não depositemos a nossa confiança na matéria, sob nenhuma forma ou quantidade. Antes, administremos sabiamente o que chega às nossas mãos e permaneçamos satisfeitos no entendimento de que o Espírito é a única verdadeira fonte de suprimento para o homem. A coexistência do homem com o Espírito lhe permite receber o conforto, a liberdade e o apoio de recursos infinitos. Se o nosso pensamento for governado pela verdade espiritual, tudo o que faz parte das nossas atividades humanas diárias, tanto o que é dotado de vida quanto o inanimado, será governado pela lei divina, e assim cooperará para o bem daqueles que amam a Deus, o Espírito.

À medida que a humanidade colher os fatos da Vida divina pela comunhão com a Mente única, e abandonar as crenças da mortalidade, tal processo preservará tudo o que for útil e bom na experiência humana, e fará com que a evidência do bem permaneça e se expanda, até que não haja mais nenhuma crença ou aparência de falta, que contrarie a totalidade e onipresença do bem. Temos mais para compartilhar, quando alcançamos uma maior compreensão espiritual, aplicando-a na demonstração, do que poderíamos ter ao acumular matéria.

A vida da Sra. Eddy foi um admirável exemplo dessa verdade. Ao dedicar sua vida inteira ao propósito de conhecer a Deus, a fim de ajudar a humanidade, ela se tornou uma pessoa rica em substância espiritual; e isso foi necessariamente exteriorizado em sua condição humana. À medida que ela aumentava o tesouro de sabedoria divina, acumulava uma riqueza de suprimento espiritual para si mesma e, através dela, para o mundo. A Sra. Eddy escreve em Ciência e Saúde: “Calcular nossa perspectiva de vida, baseando-nos na matéria, seria infringir a lei espiritual e guiar erradamente a esperança humana” (p. 319). Ela nos ensinou, por preceito e pela prática, que só a Mente é que supre todo o bem ao homem. Esse fato espiritual está intimamente relacionado ao progresso da humanidade no caminho que vai dos sentidos à Alma.

Jesus tinha tanta certeza da ajuda divina imediata e disponível para atender às necessidades humanas, que disse: “Acaso, pensas que não posso rogar a meu Pai, e ele me mandaria neste momento mais de doze legiões de anjos?” (Mateus 26:53). Não poderia essa declaração indicar que a oração a Deus, a comunhão com as verdades espirituais do existir, é o meio para libertar a humanidade de todo senso de carência?

Uma história bíblica, que nos é muito familiar, prova que o reconhecimento da lei espiritual da substância divina, quando aplicada na vida humana diária, resolve todos os seus graves problemas. É a história da viúva e seus filhos e da sua botija de azeite, que é contada em 2 Reis 4:1–7. O senso material, referente à condição de pobreza relatada nesses versículos, poderia indicar que não existiam recursos suficientes nessa família, portanto, só poderia haver desarmonia, desgraça e tristeza; que não havia solução para o problema; que não houvera matéria guardada, portanto, teria de haver punição. Tudo nessa história fala de carência: no azeite, a falta de quantidade; na mulher, a falta de fé e de recursos; nos filhos, a falta de liberdade; e nos credores, a falta de pagamento.

Mas um profeta entra no caso. Em Ciência e Saúde “profeta” é definido como: “Aquele que vê espiritualmente; desaparecimento do senso material ante os fatos conscientes da Verdade espiritual” (p. 593). Eliseu, o profeta, olhou para o caso da viúva com o senso espiritual e considerou a suficiência como uma qualidade da Vida sempre presente. Imediatamente, o azeite manifestou suficiência, em vez de limitação; os filhos tiveram a certeza da liberdade, em vez do medo da escravidão; os credores tiveram satisfação, em vez de falta, e a mulher passou a ter mais recursos, em vez de pobreza.

Não foi preciso tempo para acumular matéria. A Mente foi o multiplicador, e a suficiência se manifestou até mesmo no chamado reino material. O errôneo senso material deu lugar ao fato espiritual da Verdade. Nesse caso, tudo, tanto o que era dotado de vida quanto o inanimado, passou a obedecer à lei de Deus. O claro senso de Eliseu trouxe à luz a prova maior da natureza inexaurível do verdadeiro suprimento. Ele demonstrou o poder da verdade espiritual no problema humano. É por meio de um exemplo como esse que, em cada situação, o pensamento é levado a reconhecer que não é a quantidade de bens materiais que torna possível a suficiência, mas sim é a compreensão de que a suficiência de bem é uma qualidade divina eternamente presente, mantida pela lei divina; e isso independentemente de quanta matéria pareça estar presente.

Essas verdades estão disponíveis para todos, e cada um de nós pode demonstrá-las. Elas podem nos despertar para a compreensão de que a situação não é desesperadora, nosso fardo não é pesado, nossa pobreza não é real, as riquezas não são incertas e as posses não oscilam. Na proporção em que compreendemos e aplicamos os fatos espirituais da verdadeira substância, o bem que alcançamos é protegido e preservado. Desse modo, finalmente aprenderemos que o método divino de prover o bem, junto com a capacidade espiritual do homem de receber o que vem de Deus, é a lei pela qual a criação permanece perfeita.

Desse modo, a chamada vida humana será cada vez mais uma experiência consciente da presença da verdade divina. E em breve ressoará, no coração dos homens, o ritmo ininterrupto da melodia celestial: “A minha graça te basta”.

ACCESS MORE GREAT ARTICLES LIKE THIS!

Welcome to Herald-Online, the home of The Christian Science Herald. We hope you'll enjoy this article that has been shared with you.

To receive full access to the Heralds, activate an account using your print Herald subscription, or subscribe to JSH-Online today!

The Mission of the Herald

In 1903, Mary Baker Eddy established The Herald of Christian Science. Its purpose: "to proclaim the universal activity and availability of Truth." The definition of "herald" as given in a dictionary, "forerunner—a messenger sent before to give notice of the approach of what is to follow," gives a special significance to the name Herald and moreover points to our obligation, the obligation of each one of us, to see that our Heralds fulfill their trust, a trust inseparable from the Christ and first announced by Jesus (Mark 16:15), "Go ye into all the world, and preach the gospel to every creature."

Mary Sands Lee, Christian Science Sentinel, July 7, 1956

Learn more about the Herald and its Mission.